Projeto Riquezas da Nossa Terra proporciona novas descobertas

Explorar, investigar, conhecer, pesquisar são alguns dos processos que fazem parte da aprendizagem durante a infância, e os estudantes do Turno Integral, a partir de questionamentos sobre quais são as Riquezas da Nossa Terra, colocaram em prática o estudo sobre o lugar em que vivem e o que pode ser produzido e cultivado neste lugar, a partir do plantio.

Em um primeiro momento, os estudantes foram instigados a pensarem sobre o que sabem das riquezas que vêm do solo, como surgem e como se desenvolvem. Chás, alimentos, sementes e grãos, plantas e árvores foram algumas das repostas dadas pelas crianças, conduzindo as pesquisas do projeto.

Descobertas foram possíveis através da exploração

Na parte prática, a primeira atividade foi a pintura com sementes, em que a criatividade e a livre exploração foram os elementos principais. Após, foram confeccionados nas aulas de Musicalização, instrumentos percussivos utilizando algumas sementes trazidas de casa pelos estudantes. Então, foi realizada uma assembleia, em que as crianças debateram e votaram quais sementes seriam plantadas e cultivadas pelas turmas.

Pintura com sementes também proporcionou a interação entre os estudantes

Para aprofundar os conhecimentos sobre o assunto, os estudantes realizaram uma pesquisa no acervo da Biblioteca Pública Municipal, investigando sobre as riquezas naturais de Erechim. A pesquisa não ficou somente nos livros, e no Laboratório de Ciências, as crianças fizeram experiências com sementes e folhas, observando seu nascimento e desenvolvimento.

Pesquisas no Laboratório de Ciências instigaram a curiosidade das crianças

As turmas também receberam a Engenheira Agrônoma e mãe das estudantes Sara e Gabriela Rigo, do 6º ano EF, Sandra Rigo, que realizou uma vivência de integração com plantas medicinais condimentares e aromáticas. Este momento teve como intuito levar até os estudantes o conhecimento da existência de algumas plantas, além do incentivo sobre sua utilização na rotina alimentar diária.

Durante a visita da Engenheira Agrônoma, os estudantes puderam diferenciar as plantas utilizando o sentido do olfato

O equipamento 3D, disponível no Colégio, também foi utilizado na observação da estrutura das folhas de diversas plantas, sendo toda a pesquisa registrada pelos estudantes através de desenhos e da escrita. Na Semana Farroupilha, as turmas manusearam a erva-mate e conheceram mais sobre sua história e cultivo, além de brincarem com as sementes e folhas ao ar livre, explorando os elementos naturais através do brincar.

O 3D possibilitou às crianças visualizarem a estrutura das folhas de forma ampliada e mais próxima da realidade 

Mandalas (símbolos feitos em forma circular, que representam a integração e a harmonia) também foram construídas pelos estudantes, sendo utilizadas diversas sementes para compor o resultado final. Todas as etapas da pesquisa realizadas até o momento, puderam ser prestigiadas através de uma exposição de fotos, desenhos e instrumentos produzidos pelo Turno Integral. O projeto continuará com o estudo de plantas e árvores.

Cada estudante pode combinar as sementes e produzir sua própria Mandala

“Ao proporcionarmos vivências que desencadeiam grandiosas descobertas, estamos realizando também a troca de conhecimentos, pesquisas, experiências e investigações, tornando o aprendizado com sentido e significado. Embasado no Projeto Educativo do Brasil Marista, o turno integral do Colégio Marista Medianeira busca promover espaçotempos capazes de fomentar o desenvolvimento de todas as potencialidades humanas, tecidos pela vivência da integralidade”, afirma Talita Bandurka, Coordenadora do Turno Integral.

Clique abaixo e veja os álbuns de fotos do projeto:

ÁLBUM 1

ÁLBUM 2

A brincadeira com os elementos naturais também faz parte do processo

Comentários (0)

Entre na discussão.

captcha

Mensagens sem e-mail válido ou com expressões ofensivas serão excluídas.