Proximidade e ternura: Dia de Champagnat

 
Em 6 junho, celebramos o dia de nosso amado fundador, São Marcelino Champagnat. Celebra-se o dia de um santo na data do seu falecimento pelo motivo principal das virtudes vividas por ele até o fim. Champagnat faleceu no dia 6 de junho de 1840, com 51 anos. Em 18 de abril de 1999, foi proclamado Santo, pelo Papa João Paulo II. Somente João Batista é celebrado em sua natividade. Champagnat faleceu no dia 6 de junho de 1840, com 51 anos. Em 18 de abril de 1999, foi proclamado Santo, pelo Papa João Paulo II. A mensagem do Ir. Francisco, Superior Geral do Instituto, no dia do falecimento de Champagnat, aos Irmãos Maristas, já revela o reconhecimento de sua santidade:
 
“Nós teremos um protetor a menos na Terra, porém ele será ainda mais eficaz e poderoso no céu, junto à divina Maria, a quem ele nos ofereceu todos ao morrer. Agora, cabe-nos colher e seguir com zelo as suas últimas e tão impactantes instruções, fazendo-o reviver em cada um de nós quando imitarmos as virtudes que nele admiramos e ao unirmo-nos cada vez mais em torno de nossa boa e terna Mãe.”
 

Inspiração do Irmão Francisco

“Junto dele quantos de nós reencontramos a paz, a confiança e a felicidade.”

Após fundar o Instituto, Champagnat, mesmo com seus deveres de sacerdote e a praticidade de morar na casa paroquial, não demorou muito para ir morar com os primeiros jovens Irmãos, em condições precárias, mas com o coração confortado e feliz. Não cansava também, em suas cartas, de manifestar o carinho e o afeto que tinha pelos Irmãos. Na circular que escreveu aos Irmãos em janeiro de 1836, deixou transbordar toda a afeição e ternura de um pai para com seus filhos: “Sinto no coração a grata satisfação de me lembrar de vocês todos os dias e de no santo altar apresentá-los todos ao Senhor; especialmente hoje, não consigo resistir à agradável satisfação de expressar a vocês meus sentimentos de afeto e de manifestar minha ternura paternal”.

Para Champagnat, estar com os Irmãos, trabalhar com eles, viver junto, tão humano e próximo, responde a uma das múltiplas características de sua pessoa, uma atitude constante de sua vida, constituindo-se a chave do êxito no desenvolvimento de sua obra. Expressou essa marca ao afirmar: “O tempo me parece eterno só pelo fato de não estar com vocês...Guardo a todos profundamente no meu coração” (Cartas, Ed. Brasileira, 1997, Doc. 181).

O convite, nesse dia de celebração de Champagnat, é motivar nossa vida em atitudes de proximidade, sensibilidade, ternura paternal-maternal, com nossos mais próximos irmãos e irmãs, à luz de seu testemunho. Somos filhos de um Deus que é terno e misericordioso com seus filhos e filhas. O caminho e a construção dos valores passa pela nossa decisão de amar e cuidar da vida, com ternura, humanidade e presença.