Palestra discute carga tributária



 Bertuol falou das ações que poderiam ser tomadas
para solucionar o problema dos impossos


Sabemos que os brasileiros estão entre os que mais pagam tributos no mundo, mas a população tem pouca informação sobre isso. Para refletir sobre essa questão, Fernando Bertuol, presidente da Associação da Classe Média de Porto Alegre (Aclame) esteve na quinta-feira (08/05) no Colégio Marista Pio XII falando com as turmas da 8ª série do Ensino Fundamental sobre carga tributária. A palestra, organizada pela professora Cleusa Frezza, que ministra a disciplina de Empreendedorismo, aconteceu no Auditório e no Audiovisual do colégio no turno da manhã e da tarde.  

Fernando Bertuol é arquiteto formado pela Unisinos, atua como profissional liberal. E preside a Aclame desde dezembro de 2002. A Aclame é uma organização não governamental que atua na valorização da livre iniciativa, no desenvolvimento sustentável e na promoção da justiça tributária, tendo como proposta criar um espaço de formação e opinião para os integrantes da classe média.

Na palestra de ontem, Bertuol falou aos alunos sobre a alta carga tributária no Brasil, suas implicações na economia e que ações poderiam ser tomadas para solucionar esse problema. Baseado em pesquisas realizadas pela Aclame, Bertuol mostrou que 82% dos gaúchos não sabem, por exemplo, que o ICMS é um imposto estadual e nem o peso desse tributo em sua vida.


Alunos das 8ªs séries debateram sobre a pesquisa 
realizada pela Aclame


O levantamento, feito em São Paulo, Rio, Porto Alegre, Brasília e Recife, identificou o nível de conhecimento e consciência da população em relação à carga tributária. Foram entrevistadas 800 pessoas, de 18 a 60 anos, de várias classes sociais. O Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) é o tributo mais lembrado e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) o mais desconhecido. No geral, as pessoas não conhecem os impostos que pagam, só lembram aqueles que conseguem enxergar, como os carnês do IPTU e do IPVA.

Os porto-alegrenses, segundo a pesquisa, são os mais críticos e acreditam que pagam muitos impostos. Cariocas e recifenses imaginam pagar menos do que as outras cidades. Para Bertuol, o estudo cria a oportunidade de discussão do assunto entre a sociedade e o governo. “A partir dessa pesquisa, percebemos que a informação que estávamos passando era equivocada. O que nos imaginávamos ser uma linguagem simples não é. Hoje, mudamos o conceito e começamos a divulgar nos folhetos a imagem dos produtos e colocando o valor do imposto separado ao lado do valor bruto”, explica.

Segundo Bertuol, a solução para a alta carga de impostos começa dentro de casa. “A solução está em casa, em fazer as pessoas falarem sobre isso. A cobrança deveria começar nos município, depois no estado e, assim, partirem juntos para uma cobrança federal. Precisamos fazer um trabalho de formação educacional dentro das escolas, no ensino de base. As pessoas não percebem que esse é o maior problema que temos, pois gastamos muito e recebemos pouco. O importante é educar a população brasileira com relação á carga tributária. É uma situação muito séria, falta o interesse governamental, mas também a movimentação dos empresários”, finaliza.

Para saber mais sobre o assunto acesse o site da Aclame www.aclame.com.br.

Saiba mais sobre o Dia da Liberdade de Impostos

Descubra o significado dos nossos impostos mais comuns

Comentários (0)

Entre na discussão.

captcha

Mensagens sem e-mail válido ou com expressões ofensivas serão excluídas.