Colégio dá dicas para o lanche escolar

Para incentivar hábitos alimentares saudáveis, o Marista Rosário reuniu algumas orientações para pais e estudantes. Sobre o lanche consumido na escola, é importante manter quatro itens essenciais, segundo a nutricionista Ana Cláudia da Cunha Gonçalves. São eles:

- Um líquido: água, suco, chá ou água de coco (sem açúcar).
- Uma fruta: maçã, banana, pera, morango, uva ou bergamota.
- Um carboidrato: para fornecer energia. Pães (integral, forma, sírio), bolachas sem recheio ou bolos caseiros.
- Uma proteína: proteínas lácteas como queijos, requeijões, iogurtes, em temperatura adequada.

Lembrando que a maior oferta nutricional deve ocorrer no almoço e jantar, o lanche não deve ultrapassar 20% das calorias ingeridas diariamente. O que evitar: salgadinhos de pacote, refrigerantes, isotônicos, balas, bolos com recheios, frituras e bolacha recheada. Para aumentar esse incentivo para que crianças e jovens tenham uma alimentação mais saudável, o Colégio suspenderá a venda de refrigerantes e tônicas em suas dependências a partir de 2017.

Exemplos de lanche:

- 1 Bolo de cenoura sem recheio (pedaço de 30g) + 1 maçã + iogurte.
- 1 Pão francês com requeijão + 1 bergamota + suco.
- 6 Bolachas água e sal + 1 banana + achocolatado.
- 1 Sanduíche colorido* + 6 morangos + suco.
- 1 Pão de queijo + 1 kiwi picadinho + iogurte.
- 1 Torrada de queijo + 1 pera + suco ou chá.
- 1 Pote pequeno de cereal + 1 banana + iogurte.
- 6 Bolachas de maisena + 1 fatia de melão + achocolatado.
- 1 Pão francês com geleia de fruta + 1 fatia de melancia + iogurte.

*sanduíche colorido pode ser feito com a ajuda das crianças. Ingredientes: pão, queijo, peito de peru, alface, tomate e cenoura ralada.


Alimentação saudável deve ser incentivada desde cedo

 

Outras orientações para pais:

- O almoço, jantar e lanche devem ter horários fixos e intervalos suficientes para que a criança sinta fome na próxima refeição.

- Se no horário pré-determinado para o lanche, a criança não aceitar o alimento oferecido, o ideal é esperar até a próxima refeição para oferecer novos alimentos, não estimulando a recusa.

- Se a criança não aceitar determinado alimento, o correto é não substituí-lo por outro de sua preferência, como doces e guloseimas.

- É comum as crianças recusarem novos alimentos. O ideal é oferecer de 8 a 10 vezes o alimento novo até que a criança se acostume com o gosto e aparência.

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria, Ministério da Saúde.