Diversidade na Feira das Nações

 

 Feira proporcionou show de diversidade e encantou os presentes

Quem compareceu ao Centro Esportivo Rosariense na manhã de sábado, 1º de setembro, pode conferir um show de diversidade étnica, cultural, social, geográfica, política e econômica. Cinqüenta e dois países, nos seus mais diversos aspectos, foram expostos pelos alunos da 8ª série do Ensino Fundamental na 7ª edição da Feira das Nações. A abertura do evento ocorreu às 9h, com apresentações artísticas e desfile das bandeiras dos países, e encerrou ao meio-dia. 

A quadra de esportes ficou lotada de curiosos em saber mais sobre os países. Os estudantes, que tiveram cerca de um mês para se organizar, montaram os estandes de forma criativa e cativaram o público, principalmente, pela apresentação dos trajes e comidas típicas dos estados-nação. 

 
 Estandes organizados pelos alunos
O aluno João Garcez Rech, da turma 83, foi um dos responsáveis pelo estande do México – um dos mais ornamentados da Feira. “Deu trabalho organizar todo esse material, mas não foi difícil, porque a avó de um dos integrantes do nosso grupo mora no México e trouxe muitos ensinamentos e objetos para nós utilizarmos na exposição”, relatou o aluno, que diz ter saciado a curiosidade sobre o país depois dessa Feira. 

O grupo responsável pelo estande do Nepal confessa que, no início, não sabia nada sobre o país. “Para quem não tinha certeza sequer se o Nepal era um país, descobrir que  nele, por exemplo,  está situada a maior montanha do mundo, o Everest, foi uma das grandes surpresas que tivemos”, garantiu o grupo. 

 

 Comissão avaliou a pesquisa

Cada estande foi julgado por uma comissão avaliadora e a nota obtida valerá para o terceiro trimestre letivo. A professora Clarice Zanette, de Língua Portuguesa, fez parte dessa comissão e ficou impressionada com a criatividade dos alunos e a integração família – escola proporcionada pelo evento. “O envolvimento e o conhecimento que estão demonstrando é incrível. Eles estão alegres e entusiasmados com o trabalho e dá para sentir que sentem prazer em estar aqui. Em cada estande que chegamos há a presença de, no mínimo, um pai envolvido na atividade. Trazer o pai e a mãe para dentro da escola é muito importante”, avaliou, empolgada, a professora. 

Foi, realmente, diferente a manhã de sábado. Fica o exemplo de integração e o sonho de ver no mundo o que se presenciou aqui no Rosário: 52 países convivendo juntos, lado a lado, e em paz.

Saiba mais sobre a 7ª edição da Feira das Nações

Comentários (0)

Entre na discussão.

captcha

Mensagens sem e-mail válido ou com expressões ofensivas serão excluídas.