Trabalho de Arte propõe sala de aula invertida

Estudantes do 7º ano EF,  foram desafiados a utilizar metodologias ativas, através da dinâmica de sala de aula invertida para desenvolver as etapas da sequência didática no componente de Arte.

A técnica propõe uma aula investigativa por meio da resolução de problemas, desenvolvendo habilidades cognitivas através de diferentes situações de aprendizagem, como pesquisa, argumentações, questionamentos e explicações sobre o conteúdo proposto. O estudante torna-se protagonista do seu processo de aprendizagem.

A proposta é promover aulas menos expositivas, onde os estudantes coloquem a “mão na massa” e o professor atue como mediador do conhecimento nas aulas, comenta a professora de Arte, Goreti Cortes. Com o auxílio de tecnologias, os estudantes tiveram acesso prévio ao conteúdo proposto, que partiu do livro “É proibido ler Lewis Carroll”. 


Pesquisa resultou em apresentações interativas nas turmas

Como o trabalho foi desenvolvido
A atividade começou com a pesquisa e levantamento das características do personagem escolhido pelo grupo, a partir daí foram montadas estratégias de apresentação para a turma e a caracterização do personagem como os utilizados pelos Cosplays. Fechando a  apresentação, foi realizada uma reflexão sobre o personagem apresentado.


Estudantes utilizaram seus smartphones para pesquisar sobre os personagens

Cosplay é um termo em inglês, formado pela junção das palavras costume (fantasia) e roleplay (brincadeira ou interpretação). É considerado um hobby onde os participantes se fantasiam de personagens fictícios da cultura pop.